Como surgiu o Projeto Mãostiqueiras

Tosquiar ou não tosquiar
Tosquiar é preciso? A verdade sobre a tosquia
26/06/2017
Lã merino no Brasil
27/06/2017
Beneficiamento da lã utilizando uma roca de fiar

Por Juliana MüllerBastos

Em maio de 2015 participei do 1º Festival da Lã de Campos do Jordão. O evento juntou diversas comunidades de tricoteiras e crocheteiras da cidade com o objetivo de valorizar os itens produzidos artesanalmente e com maior porcentagem de fibras naturais.

Eu já utilizava a lã natural como matéria prima, desenvolvendo peças em feltragem, uma técnica que tem mais de 6.000 anos, anterior à fiação, tecelagem e tricô, e fui convidada para promover um bate papo sobre a história da lã e sua importância para a humanidade.

Falamos sobre os animais que nos dão a lã, o lindo processo desde a tosquia até a obtenção do fio e as grandes vantagens desta fibra natural frente àquelas sintéticas, disponíveis hoje no mercado.

Ao final deste bate papo algumas artesãs, com dificuldade em encontrar fibras naturais, me perguntaram onde poderiam comprar lã pura. Dei algumas dicas de fornecedores e logo na sequência um senhor me abordou explicando que era um criador de ovelhas da região e que todos os anos tosquiava suas ovelhas e descartava a lã, jogando-a no lixo ou enterrando-a.

Pronto! Em 5 minutos eu estava em contato com fornecedor de matéria-prima e clientes desejosos em comprar os fios desenvolvidos com esta excelente fibra têxtil.

Acabei descobrindo que descartar a lã não era uma exclusividade deste criador. Outros tantos pequenos criadores da Mantiqueira não aproveitam a lã da tosquia em suas propriedades e não encontram, aqui em nossa região, interessados na compra deste produto. A região que teria interesse neste produto é o Rio Grande do Sul, porém o preço obtido com a venda da lã não chega a pagar o custo da tosquia e do transporte.

Incrédula com este desperdício, começava a surgir a ideia do projeto Mãostiqueiras – As mãos que trabalham a lã na Serra da Mantiqueira. O Projeto Mãostiqueiras tem o intuito de reconhecer que a lã é um bem econômico, de valor social, cultural e ambiental, e busca capacitar mulheres nos processos de beneficiamento, tingimento natural e de transformação dessa fibra em objetos decorativos de qualidade, gerando trabalho, renda e educação para a sustentabilidade, além de resgatar e preservar o patrimônio cultural dos métodos tradicionais de produção.

Em abril de 2016 o Projeto Mãostiqueiras foi aprovado no ProAC, o Programa de Ação Cultural da Secretaria de Cultura do Estado de São Paulo e recebeu recursos do ICMS das empresas Pássaro Marron e Litorânea.

Em março de 2017 foi inaugurado o Espaço Mãostiqueiras, localizado na Vila Matilde,  onde além de comercializar os produtos artesanais e capacitar pessoas da comunidade para trabalharem com a lã, também servirá como armazém de matéria-prima,  oficina, workshops, bem como um espaço cultural para receber estudantes e turistas interessados no universo da lã.

A nossa Mantiqueira já pode se orgulhar de mais esta preciosidade que a natureza nos dá e que as “mãos tiqueiras” da nossa gente transformam em ainda mais riqueza com sabedoria e criatividade.

Quer saber mais sobre o Projeto Mãostiqueiras ou quer nos ajudar de alguma forma?

maostiqueiras.com.br

fb.com/maostiqueiras

maostiqueiras@gmail.com

Rua Arthur Ramozzi, 100, Vila Matilde, Campos do Jordão